15 de junho de 2021

O zinco é um dos minerais que contribuem para um bom funcionamento do organismo. A falta desse nutriente afeta um terço da população mundial e o Brasil tem um consumo moderado, mas ainda abaixo do ideal, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).Os sintomas podem acarretar imunidade baixa, unhas fracas, cabelos desnutridos e infecções.

Por isso, uma dieta rica em minerais é fundamental para manter a saúde. O zinco assume um papel de proteção contra doenças e contribui no combate a outras que já estão no organismo. Pensando nisso, neste artigo, separamos tudo o que você precisa saber sobre o zinco e os principais benefícios desse nutriente para o organismo. Confira!

O que é o zinco?

O zinco é um mineral importante que promove reações químicas que ajudam no funcionamento do organismo. Esse nutriente é necessário, pois o corpo não o produz de forma natural. Sendo assim, é ideal a ingestão de alimentos ou suplementos ricos em zinco para suprir essa falta.

A deficiência desse nutriente causa complicações, como queda de cabelo, dificuldade em cicatrização, unhas quebradiças, alterações de paladar, distúrbios de crescimento, enjoo, infertilidade e comprometimento da imunidade, deixando a pessoa mais propensa a viroses e resfriados.

Quais os benefícios do zinco?

Há inúmeros os motivos pelos quais o zinco deve ser ingerido. Contudo, os principais benefícios desse nutriente para o corpo são:

● Fortalecimento da imunidade;

● Tratamento da depressão;

● Proteção contra infecções;

● Ajuda a regular a tireoide;

● Combate a queda capilar;

● Previne diabetes tipo 2;

● Tem ação antioxidante:

● Contribui no tratamento de acne;

● Entre outras importantes funções hormonais e neurais.

Quais alimentos possuem zinco?

Apenas de não ser produzido pelo organismo, o zinco é um mineral presente em diversos alimentos, seja de origem animal ou vegetal. Veja a seguir alguns alimentos que são ricos desse nutriente.

Oleaginosas, como amendoim, amêndoa e castanhas;

● Carne vermelha, fígado e peixes;

● Ovos;

● Legumes, como batata-doce, beterraba, brócolos, cebola, cenoura, abóbora, acelga, alface, agrião, batata, cogumelo, couve e couve-flor;

● Chocolate amargo;

● Leguminosos, como ervilha, lentilha e feijão;

● Grão-de-bico;

● Frango;

● Ovo (gema);

● Sementes de abóbora e linhaça;

● Cereais integrais, como arroz e aveia;

● Frutas, como figo, framboesa, maçã, manga, abacate, abacaxi, ameixa, banana, melão e morango, entre outras.

Como identificar a falta de zinco?

Um indivíduo com uma dieta saudável dificilmente sofre com deficiência de zinco. A falta desse mineral no organismo é identificada por exames de sangue ou de urina. No entanto, a carência desse nutriente pode ser observada por meio de surgimento de alguns sintomas, como:

● Unhas e cabelos fracos e quebradiços;

● Queda capilar;

● Ferimentos que não cicatrizam rápido;

● Mudança no paladar;

● Diminuição do olfato;

● Falta de apetite;

● Perda de peso;

● Diarreia etc.

Como consumir o zinco?

O zinco pode ser ingerido por meio de alimentos ricos desse mineral. Sendo assim, adicione esse nutriente na sua dieta diária e mantenha os níveis de zinco regulados. No caso de carência de zinco no corpo, pode ser indicado o consumo de suplementos aliados à alimentação equilibrada. Para isso, consulte um nutricionista ou médico especialista para receber a melhor indicação e não prejudicar a sua saúde.

Portanto, foi possível identificar os diversos benefícios do zinco para o corpo e a necessidade da sua ingestão. Lembre-se que o excesso desse nutriente pode causar problemas, como a anemia. Sendo assim, a alimentação saudável tem um papel muito importante para a saúde e equilíbrio do organismo.
Gostou deste conteúdo?

Confira também: Dicas de alimentos nutritivos para manter o bom funcionamento do organismo.

Show Full Content
Previous Geleia real: o que é e quais os principais benefícios?
Next O que acontece com a falta de vitamina A?

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close

NEXT STORY

Close

Como devo escolher meu whey protein?

6 de outubro de 2015
Close